Do porquê o jogo de tênis ser mental

Início    /    Tênis    /    Do porquê o jogo de tênis ser mental
Por Nittenis News  •  18 de Setembro de 2020
Por Apariciope Meneses

As finais do US Open trouxeram um dado interessante para os amantes do tênis. No feminino, Naomi Osaka e Victoria Azarenka fizeram uma partida que durou 1h53min. Só que o jogo real mesmo, ou seja, bolinha tocando a corda da raquete, foi somente 18min53s: 16,4% foi o tempo real de jogo, 83,6% foi o tempo em que simplesmente não houve jogo (1h34min07s).

No masculino Alexander Zverev e Dominic Thiem jogaram uma partida de 4h1min. Só que o jogo real mesmo foi de 38min56s: 16% do tempo eles rebatiam as bolas e 84% (3h22min04s) eles estavam sentados ou se preparando para bater na bola.

O primeiro Grand Slam pós-pandemia me fez relembrar a frase do escritor Pablo Neruda, chileno, ganhador do Nobel de literatura: “Algum dia em qualquer parte, em qualquer lugar indefectivelmente te encontrarás a ti mesmo, e essa, só essa pode ser a mais feliz ou a mais amarga de tuas horas”. Jogar tênis pode ser uma boa terapia, além de fazer exercício físico você tem que conviver muito tempo consigo mesmo. Devido ao tempo parado, você primeiro tem que aprender a ganhar de si mesmo para depois aprender a ganhar do seu oponente.

Você está surpreso com esta estatística do jogo de tênis? Que tal se preparar melhor para a próxima competição? Fique atento ao seu tempo parado e mude repertórios comportamentais. Respire melhor entre os pontos. Imagine o que você quer que aconteça no pouco tempo de jogo. Melhore sua atenção, controle melhor as suas frustrações. Tenha qualidade nas suas reações e nas tomadas de decisões. Observe a sua linguagem corporal e amplie a sua visão periférica. Aprenda a lidar com suas emoções e controle a sua impulsividade.

O que você está esperando? Vá para a quadra e treine bastante a parte técnica, física e estratégica do tênis, mas não esqueça que o jogo é mental. Lembre-se que a parte mental também pode ser treinada e passe a se responsabilizar pelo seu tempo parado no tênis. E por falar em pandemia, assim como no tênis, cuide bem do seu tempo parado, porque o " algum dia“ do Pablo Neruda  já é uma realidade nos dias atuais. Um grande abraço e como dizia um velho amigo “pau na bola”.

Apariciope Meneses 
Psicólogo do Esporte
CRP06/148040

Publicidade