Fognini supera Nadal em Mônaco

Início    /    Tênis    /    Fognini supera Nadal em Mônaco
Por Raphael Favilla  •  20 de Abril de 2019

De nada adiantaram os 11 títulos conquistados pelo espanhol Rafael Nadal no Masters 1000 de Monte Carlo na semifinal deste sábado com o italiano Fabio Fognini, que se mostrou em um dia inspirado para conseguir sua quarta vitória em 15 jogos contra o canhoto de Mallorca, anotando parciais de 6/4 e 6/2 depois de 1h36 de partida.

Fazendo apenas sua terceira semifinal de Masters da carreira, o italiano de 31 anos e atual 18 do mundo havia perdido as outras duas que disputara, a primeira delas também no saibro monegasco, em 2013, superado pelo sérvio Novak Djokovic, e a outra em Miami, dois anos atrás, quando parou justamente em Nadal.

Vindo de uma sequência de 18 vitórias seguidas com 25 sets de invencibilidade, o atual vice-líder da ATP sofreu apenas sua quinta derrota na competição para o quarto oponente diferente. A primeira delas veio em 2003, sua estreia no evento, diante do argentino Guillermo Coria. Também o venceram em Mônaco o compatriota David Ferrer (2014) e o sérvio Novak Djokovic, que o superou em 2013 e repetiu o feito em 2015, última vez que Nadal perdera por lá.

Dono de 418 vitórias o saibro, Nadal perdeu apenas pela 37ª vez em seu piso favorito, a terceira delas para Fognini, que já havia superado o ex-número 1 do mundo em Barcelona e no Rio Open, ambas em 2015. O outro triunfo do italiano veio naquele mesmo ano, numa virada espetacular no US Open depois de perder os dois primeiros sets.

O primeiro set, debaixo de rajadas fortes de vento, foi uma gangorra. Fognini começou bem o jogo, coisa rara, e quebrou logo de cara, mas aí baixou a intensidade e Nadal virou para 3/1. Não sustentou a vantagem e foi sempre mais burocrático, investindo basicamente nos topspins da base. O italiano ousou mais, tentou variações com curtas e voleios, e por isso liderou o set tanto em winners (10 a 5) como em erros (16 a 12). Nadal jogou um péssimo nono game, com falhas básicos de forehand, e Fognini não deixou a chance escapar, ainda que tenha tido sorte com bola na fita no 30-30.

Fognini ganhou confiança de vez e fez um segundo set praticamente impecável. Enquanto Nadal tentava a qualquer custo investir nas trocas de bola, o italiano arriscou sempre, esteve muito feliz nas paralelas dos dois lados e encurralou o espanhol. Sacando para um incrível 'pneu', o italiano abriu 40-0 e só então se apressou e tentou um winner difícil. Sem mais nada a perder, Nadal finalmente bateu com vontade na bola e se safou.

O jogo ficou obviamente tenso quando o espanhol diminuiu para 5/2, mas Fognini voltou a ser muito preciso nas suas bolas profundas e fechou a grande vitória com outro paralela. Terminou sua notável atuação com 21 winners diante de apenas 10.

O adversário de Fognini será o sérvio Dusan Lajovic, que conseguiu uma notável reação diante do russo Daniil Medvedev marcando as parciais de 7/5 e 6/1, e irá disputar a primeira decisão de sua carreira.

A semifinal viu dois jogos completamente distintos. Errando demais no fundo de quadra, Lajovic era dominado amplamente pelo tênis regular do russo, que parecia confiante após a vitória da véspera sobre Novak Djokovic.

Abriu 5/1 e sacou para o primeiro set. Aí tudo mudou. O russo pareceu incomodado com o vento, abriu brechas e o sérvio ganhou nada menos que 10 games consecutivos, conseguindo balançar Medvedev e baixar bem a bola com slices. Somente quando já perdia por 0/4 e 15-40, o russo voltou a ganhar um game, mas a reação durou muito pouco. A partida terminou com um total de 64 erros não forçados na soma dos dois jogadores.

Aos 28 anos, Lajovic é apenas o segundo sérvio além de Djokovic a atingir uma final de nível Masters, repetindo Filip Krajinovic em Paris de 2017. Ele havia perdido todas as quatro semifinais de ATP já disputadas. Atual 48º do ranking, é o tenista de pior ranking a decidir Monte Carlo desde que Hicham Arazi caiu diante de Guga Kuerten na final de 2001.

Além de tudo, Lajovic ainda não perdeu sets na semana, tendo eliminado especialistas no saibro como David Goffin e Dominic Thiem. Com a inesperada campanha, irá aparecer no top 30 da próxima lista e será ao menos o 24º colocado. O eventual título o levará ao 19º posto.

Publicidade